quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Nelson Cavaquinho - 100 Anos de Samba e Choro vem ai!!!!



Nelson Cavaquinho, nome artístico de Nelson Antônio da Silva, (Rio de Janeiro, 29 de outubro de 1911[1] — Rio de Janeiro, 17 de fevereiro de 1986) foi um importante músico brasileiro. Sambista, carioca, compositor e cavaquinhista na juventude, na maturidade optou pelo violão, desenvolvendo um estilo inimitável de tocá-lo, utilizando apenas dois dedos da mão direita.
Seu envolvimento com a música inicia-se com na família. Seu pai, Brás Antônio da Silva, era músico da banda da Polícia Militar e seu tio Elvino tocava violino. Depois, morando na Gávea passou a frequentar as rodas de choro. Foi nessa época que surge o apelido que o acompanharia por toda a vida.
Casou-se por volta dos seus 20 anos com Alice Ferreira Neves, com quem teria quatro filhos e na mesma época consegue, graças a seu pai, um trabalho na polícia fazendo rondas noturnas a cavalo. E foi assim, durante as rondas, que conheceu e passou a frequentar o morro da Mangueiira, onde conheceu sambistas como Cartola e Carlos Cachaça.
Deixou mais de quatrocentas composições, entre elas clássicos como"A Flor e o Espinho" e "Folhas Secas", ambas em parceria com Guilherme de Brito, seu parceiro mais frequente. Por falta de dinheiro, depois de deixar a polícia, Nelson eventualmente "vendia" parcerias de sambas que compunha sozinho, o que fez com que Cartola optasse por abandonar a parceria e manter a amizade.
Sua primeira canção gravada foi "Não Faça Vontade a Ela", em 1939, por Alcides Gerardi, mas não teve muita repercussão. Anos mais tarde foi descoberto por Cyro Monteiro que fez várias gravações de suas músicas. Começou a se apresentar em público apenas em 1960, no Zicartola, bar de Cartola e Dona Zica no centro do Rio. Em 1970 lançou seu primeiro LP, "Depoimento de Poeta", pela gravadora Castelinho.
Suas canções eram feitas com extrema simplicidade e letras quase sempre remetendo a questões como o violão, mulheres, botequins e, principalmente, a morte, como em "Rugas", "Quando Eu me Chamar Saudade", "Luto", "Eu e as Flores" e "Juízo Final".
Com mais de 50 anos de idade, conheceria Durvalina, trinta anos mais moça do que ele, sua companheira pelo resto da vida. Morreu na madrugada de 18 de fevereiro de 1986, aos 74 anos, vítima de um enfisema pulmonar.
No carnaval de 2011 a escola de samba G.R.E.S. Estação Primeira de Mangueira homenageará Nelson Cavaquinho pelo seu centenário. "O Filho Fiel, Sempre Mangueira" é o nome do enredo que a agremiação levará para a avenida. O músico era torcedor da escola de samba carioca.

O Projeto Nelson Cavaquinho 100 anos de Samba e Choro visa homenagear o centenário desse ícone da música brasileira.
Aguardem, vai ser EMOCIONATE!

Projeto Vinícius Saravá! 30 Anos de Saudade. VI






Obrigado á todos que fizeram desse sonho uma REALIDADE!!

Projeto Vinícius Saravá! 30 Anos de Saudade.V AGRADECIMENTO

Projeto Vinícius Saravá! 30 Anos de Saudade. IV



Projeto Vinícius Saravá! 30 Anos de Saudade. IIÍ




Projeto Vinícius Saravá! 30 Anos de Saudade. II



As intérpretes convidadas abrilhantaram ainda mais o projeto com suas vozes e interpretações memoráveis.

Projeto Vinícius Saravá! 30 Anos de Saudade.



Em 09 de julho de 1980, parte o nosso Vinícius de Moraes. O “Poetinha”, como era conhecido. É considerado o mais poeta dos poetas e a mais real e clara expressão do romantismo. Sua obra serviu de referencial para muitos compositores e intérpretes. Em suma, ele faz parte da história musical e literária desse país, e só por isso, merece ser eternamente lembrado, cantado e recitado.
Para relembrar o grande poeta é que desenvolvemos o projeto “Vinícius Saravá – 30 Anos de Saudade” que conta com o patrocínio da Y.Yamada através do incentivo da Lei Semear.
Convidamos o compositor, músico e intérprete Pedrinho Cavalléro, para apresentá-lo, por todo seu conhecido amor pela obra do poeta, mais o ator Ricado Tomaz e as intérpretes Marcia Yamada, Adriana Cavalcante, Aninha Portal, Alba Maria, Karen Tavares, Patrícia Rabelo, Andréa Pinheiro que se apresentaram a cada terça feira.
Dividindo o palco com Pedrinho Cavalléro esteve os músicos Lenilson Albuquerque, Mário Jorge, Bruno Mendes e João Berere.
Foi um projeto ousado onde foi levado um show com toda infraestrutura á um espaço alternativo.
O show teve uma linguagem multimídia onde se apresentou música, poesia, vídeo e interpretações maravilhosas.
Um sucesso de público e crítica.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

I Festival da Canção Ananin


O I Festival da Canção Ananin conta com o incentivo da Lei Semear do Governo do Estado e com o patrocínio da Y.Yamada e será aberto para todo Brasil.
Será obrigatório a participação de compositores residentes no município de Ananindeua.
Brevemente maiores informações.